Caro demais, projeto de Zaha Hadid será revisto

O projeto da renomada arquiteta Zaha Hadid para o Estádio Olímpico-Paraolímpico de Tóquio, a ser utilizado nos jogos de 2020, deverá ser revisto, devido aos custos exorbitantes de sua execução, alvo de críticas tanto pela população japonesa quanto pelos próprios atletas. 01_2020

O primeiro ministro, Shinzo Abe, declarou que o projeto será reconcebido desde o início: “decidimos voltar ao início […] e começar do zero. Estive ouvindo a voz do povo por um mês, pensando na possibilidade de uma revisão”.

O escritório Zaha Hadid Arquitetos (ZHA) também se manifestou sobre a situação: “nossas equipes no Japão e no Reino Unido tem trabalhado duro junto ao Conselho Desportivo Japonês para projetar um novo Estádio Nacional que possa abrigar os Jogos de Rugby de 2019, os Jogos Olímpicos de 2020 e que atenda às necessidades desportivas do Japão pelos próximos 50 a 100 anos”.

02_2020

O projeto recebeu severas críticas por parte de arquitetos japoneses renomados, como Arata Isozaki; além disso, Toyo Ito, Sou Fujimoto, Kengo Kuma e Fumihiko Maki, emitiram uma petição para a revisão do projeto, em virtude de sua escala, que seria demasiado grande em relação ao entorno – prejudicando inclusive o estádio olímpico de 1964, de autoria de Kenzo Tange (abaixo).

tange01

Hadid rebateu as críticas: “eles não querem um estrangeiro projetando seu estádio nacional; por outro lado, todos eles trabalham fora de seu país”. E acrescentou: “o problema é que perderam o concurso (realizado em 2008); se fossem contra a construção de um estádio naquele local, não deveriam ter participado da competição”.

O ministro dos esportes do Japão, Hakubun Shimomura, afirmou a necessidade de reduzir o custo do projeto, orçado em £1.8 bihão (R$8.88 bilhões); “o planejamento urbano deve corresponder às necessidades do povo”, afirmou. Ainda assim, um protesto com cerca de 500 pessoas foi realizado em Tóquio há duas semanas.

03_2020

Pelo visto a polêmica arquitetônica e urbanística renderá boas discussões!

Fonte: DEZEEN.

O futuro: vias inteligentes!

Interatividade e fornecimento de dados, interligados a nosso cotidiano: eis um futuro possível para nossas vias, com o uso de painéis inteligentes (não simplesmente captadores de energia solar).

Fascinante, não?

Alguns prédios com arquitetura maluca!

Controversos e surpreendentes na paisagem urbana, estas edificações tornaram-se famosas por seus desenhos ousados. Alvo da fúria de muitos arquitetos, elas dividem opiniões – e você, o que acha?

A nova Biblioteca de Alexandria

Em tempos em que estamos ávidos por conhecimento e carentes de fontes confiáveis, um motivo de comemoração: o renascimento da Biblioteca de Alexandria – um complexo cultura às margens do mar Mediterrâneo, no Egito! Projeto concluído em 2002, é fruto de uma competição internacional organizada pela UNESCO em 1988. No contexto histórico, portanto, podemos considerá-la apenas recém-inaugurada.

Para entender melhor a importância que reside em seu próprio nome, melhor passar a palavra a um expert: o genial Carl Sagan.

Fascinante, não?

Impressão 3D e a construção civil!

Para muitos, impressoras 3D ainda remetem a brinquedos de plásticos e, no máximo, maquetes de acabamento duvidoso – mas a história sempre mostra que, em tecnologia, o que hoje parece ter pouca utilidade é apenas a porta de entrada de ferramentas que podem ser revolucionárias (não foi assim com os computadores pessoais?).

O vídeo acima ilustra como essa tecnologia não é apenas potencial: a companhia holandesa DUS Architects construirá e exibirá uma casa ao longo dos canais de Amsterdã com estrutura modular executada desta forma; já a Iaac (Institute for advanced architecture of Catalonia) está investindo em módulos e automação na construção em concreto. O que dizer então dos conjuntos habitacionais e mansões já construídos, com módulos de concreto, pela companhia chinesa WinSun? Um sucesso em velocidade (10 casas em 1 dia, ao custo unitário de US$ 4800) e em vendas (projetam-se as encomendas para os próximos anos em 26 países).

Para os investidores em construção, a automatização do processo de construção em concreto representa cumprimento de prazos e qualidade no produto final – valores agregados que sustentam esse importante filão da economia mundial. Confira, no vídeo abaixo, a impressora 3D de concreto da WinSun (basicamente uma ponte rolante despejando-o, camada após camada):

Fascinante, não?

Onde o arquiteto geek trabalha?

Provavelmente alguns dos leitores desse blog já se perguntaram onde eu trabalho. Eis a resposta: sou arquiteto pleno na POSCO E&C do Brasil, parte da multinacional sul-coreana POSCO E&C, que está construindo, no Ceará, a Companhia Siderúrgica do Pecém – CSP. Conheçam um pouco deste incrível empreendimento!

Abaixo, o vídeo oficial mais recente (confiram outros no canal da CSP):

.

Fascinante, não?

Pré-fabricados: a solução para a construção!

Cumprir prazos e orçamentos é um imenso desafio na construção – se já o é na civil, que dizer então na industrial, quando geralmente há, atrelado ao cronograma da obra, um compromisso de produção contratualmente firmado? Adiar inaugurações pode representar importantes prejuízos, até mesmo comprometendo as empresas envolvidas. Uma solução para esse problema é o uso de pré-fabricados, eliminando atrasos e, além disso, melhor garantindo a qualidade do produto.

No vídeo acima, embora o título fale em “prédio feito em 360 horas”, obviamente o tempo envolvido foi bem maior. Um projeto engloba, além do projeto da construção em si, seu planejamento e a concepção (e compatibilização) dos diversos projetos técnicos envolvidos (arquitetônico, de estruturas, de HVAC, que aliás aqui aparece em destaque, etc). Um bom exercício, ao ver-se uma demonstração como essa, é imaginar o projeto total através dos gráficos de Gantt de um programa de gerenciamento, como o MS Project ou o Primavera.

Fascinante, não?

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.527 outros seguidores