A Arquitetura como Prática Política

Fundada em junho de 1990 por profissionais de diversos campos de atuação como uma assessoria técnica a movimentos sociais, a USINA CTAH tem atuado no sentido de articular processos que envolvam a capacidade de planejar, projetar e construir pelos próprios trabalhadores, mobilizando fundos públicos em um contexto de luta pelas Reforma Urbana e Agrária.

PUAPP

Um documentário sobre suas atividades, “Projeto USINA 25 – a Arquitetura como Prática Política”, está angariando fundos por crowdlunding para sua realização e lançamento em 2016. Confira, no vídeo abaixo, este belo projeto!

Fascinante, não? Contribua você também!

Caro demais, projeto de Zaha Hadid será revisto

O projeto da renomada arquiteta Zaha Hadid para o Estádio Olímpico-Paraolímpico de Tóquio, a ser utilizado nos jogos de 2020, deverá ser revisto, devido aos custos exorbitantes de sua execução, alvo de críticas tanto pela população japonesa quanto pelos próprios atletas. 01_2020

O primeiro ministro, Shinzo Abe, declarou que o projeto será reconcebido desde o início: “decidimos voltar ao início […] e começar do zero. Estive ouvindo a voz do povo por um mês, pensando na possibilidade de uma revisão”.

O escritório Zaha Hadid Arquitetos (ZHA) também se manifestou sobre a situação: “nossas equipes no Japão e no Reino Unido tem trabalhado duro junto ao Conselho Desportivo Japonês para projetar um novo Estádio Nacional que possa abrigar os Jogos de Rugby de 2019, os Jogos Olímpicos de 2020 e que atenda às necessidades desportivas do Japão pelos próximos 50 a 100 anos”.

02_2020

O projeto recebeu severas críticas por parte de arquitetos japoneses renomados, como Arata Isozaki; além disso, Toyo Ito, Sou Fujimoto, Kengo Kuma e Fumihiko Maki, emitiram uma petição para a revisão do projeto, em virtude de sua escala, que seria demasiado grande em relação ao entorno – prejudicando inclusive o estádio olímpico de 1964, de autoria de Kenzo Tange (abaixo).

tange01

Hadid rebateu as críticas: “eles não querem um estrangeiro projetando seu estádio nacional; por outro lado, todos eles trabalham fora de seu país”. E acrescentou: “o problema é que perderam o concurso (realizado em 2008); se fossem contra a construção de um estádio naquele local, não deveriam ter participado da competição”.

O ministro dos esportes do Japão, Hakubun Shimomura, afirmou a necessidade de reduzir o custo do projeto, orçado em £1.8 bihão (R$8.88 bilhões); “o planejamento urbano deve corresponder às necessidades do povo”, afirmou. Ainda assim, um protesto com cerca de 500 pessoas foi realizado em Tóquio há duas semanas.

03_2020

Pelo visto a polêmica arquitetônica e urbanística renderá boas discussões!

Fonte: DEZEEN.

O futuro: vias inteligentes!

Interatividade e fornecimento de dados, interligados a nosso cotidiano: eis um futuro possível para nossas vias, com o uso de painéis inteligentes (não simplesmente captadores de energia solar).

Fascinante, não?

Alguns prédios com arquitetura maluca!

Controversos e surpreendentes na paisagem urbana, estas edificações tornaram-se famosas por seus desenhos ousados. Alvo da fúria de muitos arquitetos, elas dividem opiniões – e você, o que acha?

A nova Biblioteca de Alexandria

Em tempos em que estamos ávidos por conhecimento e carentes de fontes confiáveis, um motivo de comemoração: o renascimento da Biblioteca de Alexandria – um complexo cultura às margens do mar Mediterrâneo, no Egito! Projeto concluído em 2002, é fruto de uma competição internacional organizada pela UNESCO em 1988. No contexto histórico, portanto, podemos considerá-la apenas recém-inaugurada.

Para entender melhor a importância que reside em seu próprio nome, melhor passar a palavra a um expert: o genial Carl Sagan.

Fascinante, não?

Impressão 3D e a construção civil!

Para muitos, impressoras 3D ainda remetem a brinquedos de plásticos e, no máximo, maquetes de acabamento duvidoso – mas a história sempre mostra que, em tecnologia, o que hoje parece ter pouca utilidade é apenas a porta de entrada de ferramentas que podem ser revolucionárias (não foi assim com os computadores pessoais?).

O vídeo acima ilustra como essa tecnologia não é apenas potencial: a companhia holandesa DUS Architects construirá e exibirá uma casa ao longo dos canais de Amsterdã com estrutura modular executada desta forma; já a Iaac (Institute for advanced architecture of Catalonia) está investindo em módulos e automação na construção em concreto. O que dizer então dos conjuntos habitacionais e mansões já construídos, com módulos de concreto, pela companhia chinesa WinSun? Um sucesso em velocidade (10 casas em 1 dia, ao custo unitário de US$ 4800) e em vendas (projetam-se as encomendas para os próximos anos em 26 países).

Para os investidores em construção, a automatização do processo de construção em concreto representa cumprimento de prazos e qualidade no produto final – valores agregados que sustentam esse importante filão da economia mundial. Confira, no vídeo abaixo, a impressora 3D de concreto da WinSun (basicamente uma ponte rolante despejando-o, camada após camada):

Fascinante, não?

Onde o arquiteto geek trabalha?

Provavelmente alguns dos leitores desse blog já se perguntaram onde eu trabalho. Eis a resposta: sou arquiteto pleno na POSCO E&C do Brasil, parte da multinacional sul-coreana POSCO E&C, que está construindo, no Ceará, a Companhia Siderúrgica do Pecém – CSP. Conheçam um pouco deste incrível empreendimento!

Abaixo, o vídeo oficial mais recente (confiram outros no canal da CSP):

.

Fascinante, não?

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.546 outros seguidores